quinta-feira, 29 de abril de 2010

Lista dos Best Sellers do LA Times Books


1. The Help by Kathryn Stockett (Putnam: $24.95) The lives of a maid, a cook and a college graduate intertwine in a Mississippi town. Weeks on the list: 48

2. Solar by Ian McEwan (Nan A. Talese: $26.95) A physicist tries to reinvigorate his career (at a colleague’s expense) and save the world. Weeks on the list: 3

3. Imperfect Birds by Anne Lamott (Riverhead: $25.95) Fraught parents send their teenage daughter to a wilderness rehab program. Weeks on the list: 2

4. Beatrice and Virgil by Yann Martel (Spiegel & Grau: $24) A Holocaust fable starring a donkey and her monkey companion. Weeks on the list: 1

5.The Last Olympian by Rick Riordan (Disney Hyperion: $17.99) Percy Jackson and his army of demigods battle to stop the Lord of Time. Weeks on the list: 19

6. Changes by Jim Butcher (Roc: $25.95) Wizard detective Harry Dresden must save his daughter from becoming a human sacrifice. Weeks on the list: 2

7. Matterhorn by Karl Marlantes (Atlantic Monthly: $24.95) The ravages of the Vietnam War told from the perspective of an ambitious young soldier. Weeks on the list: 3

8. Bite Me by Christopher Moore (William Morrow: $23.99) A San Francisco goth girl and her boyfriend battle a ravenous vampyre cat. Weeks on the list: 4

9. Major Pettigrew's Last Stand by Helen Simonson (Random House: $25) An English widower fights to keep greedy relatives from selling a valuable family heirloom. Weeks on the list: 3

10. Diary of a Wimpy Kid by Jeff Kinney (Amulet: $12.95) The adventures of Greg Heffley, a wise-cracking kid trying to survive middle school. Weeks on the list: 10

11. Every Last One by Anna Quindlen (Random House: $26) A violent act rips a family apart leaving a mother struggling to cope. Weeks on the list: 1

12. The Shadow of Your Smile by Mary Higgins Clark (Simon & Schuster: $25.99) An inheritance is threatened by the revelation of a love child between a nun & famous doctor. Weeks on the list: 1

13. Abraham Lincoln: Vampire Hunter by Seth Grahame-Smith (Grand Central: $21.99) The ax-wielding president seeks vengeance for the death of his mother. Weeks on the list: 7

14. Angelology by Danielle Trussoni (Viking: $27.95) A nun races to find a secret artifact before the evil Nephilim, a race of fallen angels, find it.Weeks on the list: 4

15. Caught by Harlan Coben (Dutton: $27.95) The search for a missing high school student stirs a reporter into action. Weeks on the list: 5


1.The Big Short by Michael Lewis (W.W. Norton: $27.95) How the U.S. economy was driven to collapse by the bond and real estate markets. Weeks on the list: 6

2. Bridge by David Remnick (Knopf: $29.95) The New Yorker editor's telling of the evolution of President Obama reaching back to his fatherless childhood. Weeks on the list: 2

3. 13 Bankers by Simon Johnson and James Kwak (Pantheon: $26.95) A case for nationalization of banks resulting from the financial crisis and subsequent bailout. Weeks on the list: 1

4. Oprah by Kitty Kelley (Crown: $30) A probing account behind the queen of all media’s empire and personal life. Weeks on the list: 1

5. Women Food and God by Geneen Roth (Scribner: $24) The connection between eating and core beliefs that brings fulfillment. Weeks on the list: 3

6. Diary of a Wimpy Kid Movie Diary by Jeff Kinney (Amulet: $14.95) Behind the scenes during the making of the movie. Weeks on the list: 6

7.Tattoos on the Heart by Gregory Boyle (Free Press: $25) Jesuit priest Boyle recounts working with troubled L.A. youth through his gang intervention program, Homeboy Industries. Weeks on the list: 4

8. Chelsea Chelsea Bang Bang by Chelsea Handler (Grand Central: $25.99) Essays and amusing tales from the comic's personal life. Weeks on the list: 6

9. This Time Together by Carol Burnett (Harmony: $25) The comedienne’s humorous look back at her career and life in showbiz. Weeks on the list: 1

10. Just Kids by Patti Smith (Ecco: $27) The singer’s early days and relationship with Robert Mapplethorpe. Weeks on the list: 13

11. Outliers by Malcolm Gladwell (Little, Brown: $27.99) An exploration of the background of high achievers. Weeks on the list: 65

12. 2010 Take Back America by Dick Morris and Eileen Mcgann (Harper: $26.99) A conservative battle plan to take control of congress in the upcoming election. Weeks on the list: 1

13. Committed by Elizabeth Gilbert (Viking: $26.95) After circumstances cause her to wed, the author tackles her fears of marriage by delving into the institution's history. Weeks on the list: 12

14. Why I Fight by B.J. Penn (William Morrow: $25.99) The Ultimate fighting champ tells his story. Weeks on the list: 1

15. No Apology by Mitt Romney (St. Martin's: $25.99) The former governor of Massachusetts offers solutions for America to reassert its global strength. Weeks on the list: 3

Mike Bloomberg, poeta?

O bilionário Mike Bloomberg está se aventurando para o mundo da poesia. Para homenagear o Poem in Your Pocket Day e o The Envelope Project, o prefeito Bloomberg se arriscou em versos inspirados na primeira linha do "'Hope' is the thing with feathers" de Emily Dickinson.

Deu nisso aí embaixo:

"Hope" NYC
By Mike Bloomberg

"Hope" is the thing with feathers
That makes our City soar
It will take us to the future
As it's carried us before

Hope is the thing with feathers
That travels all our streets
It sings in every language
It sometimes even tweets

And though we may not see it
It perches everywhere
In new shops and small businesses
In every schoolroom chair

It could be our famous pigeon
Or fabled red-tailed hawk
Hope is the thing with feathers
That flies throughout New YAWK

Poesia ou não?

Kindle terá conexão com Twitter e Facebook no fim de maio

Envio de informações para redes sociais será possível com atualização do software para versão 2.5

No fim de maio, quando a atualização para a versão 2.5 do software do Kidle for liberada pela Amazon, o e-reader ganhará novos recursos. Entre eles, a possibilidade de envio de mensagens para o Facebook e o Twitter. E também a inclusão do recurso "Destaques Populares", que aponta os trechos mais interessantes sobre livros que o usuário está lendo na opinião de outros usuários.

A atualização para o novo sistema também acrescentará a proteção do dispositivo por senha, zoom para PDFs e uma nova forma de organizar a extensa biblioteca Kindle, batizada de "Coleções".

Todos os Kindles são projetados para verificar e baixar automaticamente as atualizações do software básico assim que estiverem disponíveis.

Extraído de: IDG Now!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Curiosity, wonder and finding a narrative thread

The Sunday afternoon panel of nonfiction writers Pico Iyer, David Grann, Melissa Milgrom and Stephen Elliott promised to reveal how these writers uncover their stories, how they go about creating narrative from collected details. Well, that’s what the panel was supposed to be about -- but halfway through the allotted hour, a unified discussion hadn’t yet emerged.

Each author read five minutes from their most recent project, books about the Dalai Lama (Iyer), real-life Sherlock Holmes characters (Grann), taxidermy (Milgrom) and taking Adderral (Elliott).

The works have many and deep differences, in both subject matter and methodology. Perhaps they started at the same point, with a question. "Curiosity plus enthusiasm equals wonder," Iyer said. The question, “Who is the best giant squid hunter?” sent Grann to New Zealand for an article for the New Yorker. “Curiosity is the driving factor,” he said. And curiosity leads to unexpected discoveries and unlikely characters, like the stereotype-busting gentle, nature-loving taxidermists that became the subject of Milgrom’s book.

Starting points aside, what about narrative? Within a single story, Elliott said, “you have all these details and you start writing away from them, see where they take you. I never know what I’m writing until I’m 80% done with it."

I felt his pain -- 45 minutes into the panel, I still couldn’t find a central tenet, a nugget to take away from these tales of squid hunters and taxidermists. I didn’t yet have a story.

But then an audience member asked a broad, unanswerable question: In this new media landscape of twitter and flash blog posts, what’s the future of journalism? The panelists collectively paused, until moderator Geoff Nicholson joked, “How much time you got?”

Finally David Grann jumped in. Yes, he acknowledged, the business of publishing and writing is changing, and yes, advertisers are advertising less and threatening the viability of publications like the New Yorker. Yet there's something else. “The hunger for stories and the magic of stories isn’t going to go away," he said. "People still want to be moved and you don’t get moved in a tweet and you don’t get moved in a blog post.”

And that, I suppose, is the story of a book festival (as written on a blog).

-- Megan Kimble

Retirado do LA Times - Books

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Desmistificando: Por que os homens não lêem?

Em uma matéria escrita por Jason Pinter para o The Huffington Post, ele se pergunta por que o mercado editorial deixa de lado metade da população mundial. A realidade é um tanto cruel, mas é verdade. Enquanto 75% das mulheres lêem, apenas 25% dos homens fazem isso, e o fazem geralmente por necessidade. Não estou aqui dizendo que os homens não lêem, que são ignorantes ou algo parecido. Estou apenas dizendo que seus interesses literários são limitados a alguns gêneros específicos e geralmente voltados as necessidades de trabalho.

Esse fato foi percebido pelas editoras há algum tempo e a maior parcela de vendas desse setor são dos livros voltados para as mulheres. Eles são geralmente lançados no início do período de férias para que sejam consumidos durante aquele período de descanso. A maior parte dos Best Sellers são o que são graças a população leitora feminina. Alguém já viu um homem lendo Crepúsculo?

Uma enorme fatia do mercado está sendo desperdiçada com essa tendência editorial que alimenta a leitura feminina e denigre a masculina. O que me parece contraditório aqui é que apesar de lerem pouco, a maior parte dos escritores que conheço são homens, e os escritores mais respeitados mundialmente também.

Então, chegamos a dois problemas:
1) Se os maiores leitores são as mulheres, e aí podemos enquadrar uma longa gama de escritoras voltadas para essa tendência, por que os maiores escritores são homens?
2) Por que eles escrevem, mas não lêem?

Jason Pinter diz:
"I'm tired of people saying Men Don't Read. Men LOVE to read. I've been a reader my whole life. My father is a reader. Most of my male friends are readers. But the more publishing repeats the empty mantra that Men Don't Read the less they're going to try to appeal to men, which is where this vicious cycle begins."

Concordo com ele. Cresci em uma família da homens leitores. Meu pai lia e lê muito, meu avô lia, meu marido lê muito e meu filho lê cada vez mais. Só que eles sempre o fizeram dentro de seus interesses específicos. Isso é um crime? As mulheres também fazem isso. Meu pai lia muitas coisas voltadas para as ciências humanas; meu avô era mais adepto de uma literatura teológica; meu marido adora ficção e meu filho, os Best Sellers (apesar de se recusar a ler Crepúsculo, viu o filme).

O mercado editorial está jogando fora um público potencial que gosta de ler, mas muitas vezes não o faz por falta de tempo ou de interesse na literatura de massa que tem se propagado. Talvez a campanha de Jason Pinter seja um caminho para uma revolução literária. Afinal, qual o propósito da literatura senão o de ser lida?

Cabe aqui a necessidade de uma mudança de paradigma. Uma nova visão do mercado editorial, mas abrangente, menos excludente. Segundo o otimismo de Jason no final de seu artigo:

"Print it, and they will come."

domingo, 25 de abril de 2010

Arte Escrita e nos Olhares Desenhada

Como Observar a "Arte" da Ilustração?
A linguagem da escrita como arte. Como se expressar, comunicar, materializar o pensamento? Sob que formas transmitir a sua mensagem?

A arte tem vários meios de ser mostrada e interpretada, é algo que precisa ser decifrado através da observação e reflexão. Hoje em dia a velocidade em que se dá o trânsito de informações faz com que o expressar artístico elimine etapas necessárias que caracterízam o que é. Tentar recuperar valores que existiam é um erro. Apesar de serem base insubstituíveis de todas as iniciativas no campo da criação. Por isso, procuramos sempre por inovações. Cada escritor, e artísta é único, por ter condições de transmitir e expressar seu ponto de vista de maneira que ninguém mais tem e conseguir fazer o observador, o apreciador compartilhar tudo o que sente e vê, como uma experiência sempre nova.

Processo de Criação?

Observe as imagens abaixo:

François Boucher (A Marquesa de Poumpadour)


Marketing da Coca-cola em 1947

Como dizem, nada se cria, tudo se transforma. Como ciclos ininterruptos originados junto com a evolução do intelecto humano. De uma humanidade sem memória. Quem se prevalece disso, são aqueles que lembram e trazem de volta novas formas de observar o que sempre maravilhou o olhar, até que fique saturado, e, novamente uma reação para que tudo se desenvolva conforme o sistema rege. Entender como funciona, de modo global as tendências e o modismo, como tudo é veloz ao surgir e decair, e o que virá em seguida, também poderemos observar, sem dúvida, aquilo que permanece, o que não muda ao longo dos anos e décadas, e séculos. Encontrar esse ponto requer uma sensibilidade. E porquê falar sobre tudo isso? O motivo de criar, é conhecer o que existe no mundo da arte e literatura, e saber observar com imparcialidade as expressões que surgem desde o passado e, principalmente na contemporâneidade.

Arte aplicada é o termo usado para determinar um tipo de "arte" que seja útil. O contrário do conceito de "arte pela arte", ou seja, não apenas uma forma de expressão artística, conceito essêncial às artes atualmente. Arte aplicada também costuma ser considerado um termo antiquado para definir as atividades e profissões ligadas ao design.

Essa dicotomia entre artes e artes aplicadas tem sido considerada por alguns como uma das distorções na classificação das atividades "artísticas", fruto de preconceitos sobre os pré-requisitos e status de um artista. A origem desse fenômeno está na separação profissional entre artista e artesão e, mais tarde no século XIX, com a divisão entre artista e designer.

Arte e Tecnologia está próxima e em uma linha muito tênue entre a estética da utilização e a comunicação pura, algo que as pessoas do dia a dia consideram dispensáveis, mas não sobrevivem sem ter uma música, cinema, um ambiente agradável dentro de casa, um jardim planejado ou uma paisagem pintada na parede, alimento para a alma. O que hoje em dia falta, no extremo do mecanicismo da vida, é considerar que o equilíbrio de uma sociedade existe apenas quando há uma válvula de escape para o cotidiano. "Tecné e Poiésis", como diziam os gregos, ao separar a atividade manual da intelectual. Arte e tecnologia faz a expressão alcançar a velocidade do mundo de hoje, sem o tradicionalismo, mas ainda remanescente no seu olhar de algo que a poesia ainda pode tocar. Como diz a música "...Você tem sede de que?Você tem fome de que?... A gente não quer só comida. A gente quer comida Diversão e arte. A gente não quer só comida. A gente quer saída. Para qualquer parte..." A grande sacada é permitir que a alma humana caminhe ainda em sincronia com o ritmo da contemporâneidade, sem tropeços absurdos que nossos governantes tentam ao esmagar classes sociais que carregam o país nas costas, um assunto bastante amplo que afasta as possibilidades de caber Arte e Tecnologia, Arte Aplicada, Arte pela Arte, que tanto recupera os carentes, e depois é destroçada quando os políticos falam em prioridades.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Livros e Rosas

A previsão é de chuva em Barcelona nesta sexta-feira. Mas nem isso está afastando a população das comemorações pelo Dia do Livro e o Dia de São Jorge, considerado um dos feriados mais alegres de lá. Pelas ruas da cidade foram instaladas 700 barracas de livros e 3.600 de flores. Pela tradição, as mulheres presenteiam os homens com um livro e eles retribuem com uma rosa. Por isso, a Associação das Editoras estima que serão vendidos 20 milhões de euros em livros em toda a Catalunha, enquando o mercado de flores prevê a venda de 6 milhões de rosas. O faturamento do mercado editorial neste dia representa cerca de 7% do total de um ano inteiro. Recital de poesia e encenações na frente de livrarias e nas esquinas também dão o tom deste dia especial. Já que o livro é o personagem principal, os escritores também saem das tocas e ficam nas barracas à espera dos leitores para autografarem suas obras. Entre eles, são esperados John Carlin, Javier Marías, Muriel Barbery, Jorge Bucay, Lucía Etxebarría, Javier Cercas, Enrique Vila-Matas e Eduardo Mendoza. O Dia do Livro é comemorado em diversos lugares do mundo, mas em Barcelona a data é mais do que especial. São livros e flores por todos os lados... só vendo que beleza! Se quiser ter uma ideia de como é, assista ao vídeo ou leia a reportagem do El País, onde há, também, fotos.

Fonte: http://www.publishnews.com.br/

terça-feira, 20 de abril de 2010

Os onzes casos

Nesta semana na coluna da agente literária Marisa Moura foram expostos os onze casos mais comuns e muito delicados de se resolver (não é plágio, é divulgação).

1. Se desejo ser lido, corro o risco de me deparar com pessoas que não gostarão do meu texto. As críticas podem vir de amigos, professores, editores, agentes, leitores e críticos. Como lidar com isso?

2. Mas há quem goste do meu texto e por essa razão continuo escrevendo... Se meu livro vender muito, nenhuma das críticas anteriores importará mais?

3. Escrevi somente um conto, e que foi muito elogiado. Fui procurado por uma editora, para publicá-lo em uma antologia. Publico ou não? E se ela desejar mais contos meus, o que farei?

4. Publicar um livro só meu ou participar de uma antologia? E nesse caso, quais são os parâmetros de um contrato de antologia? Como deve ser a minha relação com o organizador da obra? Como saberei se os critérios utilizados para compor a antologia estão alinhados com o que eu escrevo e quero para o meu texto?

5. Um editor amigo meu foi quem publicou meu primeiro romance. A editora era pequena, mas eu confiava no grande profissional que ele sempre foi. Esse meu amigo editor fez um excelente trabalho, hoje, sou sucesso de imprensa e de vendas. Mas agora sou abordado por várias editoras grandes, que querem publicar minhas próximas obras. O que devo fazer? Continuo na pequena editora do meu amigo ou aceito uma das ofertas das grandes editoras?

6. Publiquei o meu primeiro livro. Ele é sucesso de crítica e o projeto gráfico é sensacional. Mas, mesmo assim, o livro não vende bem; acredito que seja um problema de distribuição. O que devo fazer?

7. Sou praticamente um colecionador de cartas e e-mails de editoras negando a publicação do meu primeiro livro, devo ter mais de dez respostas negativas… Um agente literário resolveria o meu problema?

8. Está muito difícil publicar. Se eu pagar a primeira edição do meu livro, e fizer um bom trabalho de divulgação, será certo que conseguirei mostrar a qualidade do meu trabalho?

9. Se eu ficar amigo de autores, dos quais eu gosto muito, e que foram publicados por editoras grandes, eles irão me apresentar para os editores deles?

10. Há um editor o qual eu admiro muito, não importa para que editora ele vá, vou com ele, pois ele entende minha obra e respeita o meu estilo. Só que agora meu editor querido saiu do mercado, tenho obras esgotadas, obras distratadas com estoque alto em várias editoras e meus livros não estão mais nas livrarias... O que eu faço?

11. Tive a sorte de publicar todos os meus primeiros originais. Mas agora, depois de anos, relendo-os, não os considero bons. Não gostaria mais que eles estivessem disponíveis no mercado. Como posso fazer isso? Será que compro todos os livros que encontro pelo caminho?

Conversando com a agente sobre a coluna ela me disse que algumas vezes ficava perdida, sem saber se a informação que ela fornece é útil para alguém. Eu tenho certeza que ajuda, afinal tudo aquilo que leva a reflexão te ajuda de alguma forma.

Ainda não tinha lido a coluna quando conversei com ela, mas quando li, fiquei com várias pulgas atrás da orelha. Os onze casos estão destacados aqui, mas para saber a opinião de Marisa sobre ele, só lendo a coluna toda.

A pergunta que me cutucou depois de ler isso foi: será que como o médico, o psicólogo, o professor e assim por diante, o mercado editorial não deveria ter uma ética? Onde fica essa noção de ética quando se vive em um mundo comercial, onde o que vale é a lei da oferta e da procura?

A solução seria uma Feira Virtual?

Com todo o problema que a Feira do Livro de Londres teve, e com vários eventos cancelados pela falta de acesso, será que ninguém pensou em teleconferências? A portabilidade e o amplo acesso a internet uniram o mundo, mas em uma das maiores Feiras mundiais a falta de comunicação pareceu imperar.

Se a situação está ruim, por que não aderir as videoconferências? A Feira ainda está em andamento. Estamos no segundo dia e vamos esperar para que tudo corra bem! Boa sorte aos que estão lá!

segunda-feira, 19 de abril de 2010

London Book Fair 2010

Voos para o Reino Unido continuam no chão enquanto o mercado editorial internacional se reúne em Earls Court para a 39ª Feira do Livro de Londres no que foi descrito por um expositor como uma “apagada” manhã de abertura. Muitos visitantes acreditavam que pelo menos a metade de suas reuniões seria cancelada, já que a participação internacional está 90% mais baixa. Alguns sugeriram que a BEA ou a Feira do Livro de Frankfurt seriam beneficiadas pelos negócios perdidos enquanto outros continuavam otimistas quanto às reuniões. A organizadora Reed Exhibitions disse que esperava conduzir o programa completo do seminário, embora alguns dos que seriam assistidos pelo The Bookseller nesta manhã tivessem sido cancelados. A maior parte dos visitantes estrangeiros vem dos Estados Unidos, e Jon Malinowski, vice-presidente do American Collective Stand, disse que apenas 30 das 150 pessoas que deviam ir à Londres realmente conseguiram chegar.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Onde está o coelho?

O novo livro infantil da Cosac Naify entra na edição da Revista Plaboy. O Segredo do Coelho, livro infantojuvenil do inglês John A. Rowe foi  dica do mês da seção "Happy Hour" da revista sob a chamada "O Futuro da Nação".
A reportagem faz uma alusão ao livro no qual você deve encontrar os coelhos escondidos em cada uma das páginas.

Propaganda de mal gosto ou treinamento para futuros compradores da revista? A editora Cosac Naify parece ter gostado:
"A alegria por aqui foi grande, afinal, raramente um livro infantil ganha destaque em uma publicação adulta."

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Novo Selo

Selo Povo é a primeira coleção da Literatura Marginal, serão 8 livros vendidos a preços totalmente populares.

A distribuição está sendo organizada de forma a atingir vários estados do Brasil.

Uma iniciativa da Editora L.M com parceria da Ação Educativa, que promoverá uma revolução no mercado editorial, pondo a periferia na rota de distribuição de livros, revistas, hqs e documentários.

Acomapanhe as novidades no Blog e a matéria que saiu no Portal Literal.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Escolha a capa do novo livro de Glenn Beck

A capa do novo livro do autor bestseller do NY Times, mas ainda quase inédito no Brasil, pode ser escolhida pela internet. A mostra que estão vendo acima é apenas uma das opções disponíveis no site para os leitores. Quem quiser, dê uma passadinha por lá e deixe seu voto.

É assim que se vende livros, antes mesmo de publicá-los... :)

Hábitos curiosos dos escritores

Extraído do site Lapham's Quarterly, esse gráfico mostra os mais curiosos e absurdos hábitos e métodos de alguns escritores. Quem sabe funciona?

Quem leu?

Esse gráfico foi exibido na revista Galileu mostrando a discrepância que existe entre quem lê e quem diz que lê. Convenhamos que o índice de leitura brasileiro é uma desgraça. O brasileiro lê, em média, 1,7 livros por ano - não chega nem a 2! Para um país que nunca sai do estado de "desenvolvimento" essa média é vergonhosa. Se houvesse mais literatura de qualidade isso mudaria?
Comparado ao clássico da literatura universal (Ulisses de James Joyce) o pop adolescente de Stephenie Meyer vem derrubando o que estiver pela frente. Todo mundo diz que leu Ulisses, mas na verdade, o que leram mesmo foi Crepúsculo... Existe algum problema em admitr que não se leu algo? Na minha concepção, vergonha é ler lixo pseudoliterário.

Então entramos no dilema: publicar literatura para ficar na estante juntando poeira ou publicar para massa que pouco preza a literatura mas consome?

Isso cabe ao editor decidir, afinal, aquilo que vende é aquilo que dá dinheiro! Não adianta romantizar a realidade, seu produto (livro) tem de ser vendável. Ninguém publica livros para encalhar. O livro hoje se tornou um mercado...

domingo, 11 de abril de 2010

Montaigne e sua relação com os livros

"A leitura me consola em minhas horas de recolhimento: ela me alivia do peso de uma ociosidade penosa e, a qualquer instante, é capaz de livrar-me de companhias maçantes. Ela entorpece dores que podem se tornar dilacerantes. Para me distanciar de pensamentos soturnos, simplesmente necessito recorrer aos livros."

Quem somos?

A Ornitorrinco Editorial surgiu de um antigo sonho de trabalhar com livros. Desse sonho que compartilhamos, surgiu a idéia; dessa idéia, surgiu a Ornitorrinco. Queremos fazer livros e ajudá-lo com os seus.

Mas a pergunta deve ser feita: por que Ornitorrinco?
Já pararam para pensar na singularidade desse animal? Não existe no mundo algo semelhante ou equivalente, no entanto, nele existem pequenas subjetividades compartilhadas por vários outros animais. Apesar de único, ele trás um pouco de todos.

É assim que trabalhamos. Juntamos experiências em várias áreas e etapas editoriais em um único lugar, para ajudar a minimizar o tempo entre a sua gaveta e a prateleira de uma livraria.

Temos como colaboradores:
* Agentes Literários;
* Preparadores de Originais;
* Leitores Críticos;
* Coaches Literários;
* Revisores;
* Copidesques;
* Tradutores;
* Capistas;
* Ilustradores;
* Acessores;
* Consultores;
* Produtores Culturais.

Oferecemos cursos voltados para a literatura e cultura, que vão ajudá-los a produzir melhor e com mais tranquilidade.
Ajudamos autores a entrarem no competitivo mercado editorial. Não podemos prometer que será fácil, nem que será rápido, mas prometemos que não mediremos esforços para que isso aconteça.
Nosso objetivo é ajudar vocês a concretizarem seus sonhos.

Venham fazer parte da família Ornitorrinco!